owl

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Solteirice, Bizarrice e Casamento


Dios mio, Bandida vai fazer falta mesmo, hoje foi o dia "D" para mim e para ela.
Primeiro ela me chama para ir em um cartório com ela para atestar duas coisas: que é SOLTEIRA e VIRGEM! Quase infartei! No me lo podia creir! VIRGEMMMMMMM???? Desde quando?

A Cartorária me chama: D. Patifa seus documentos, por favor.
Entreguei meus documentos numa profusão de medo e descrença.

Eu: Escute, eu realmente assino o documento provando que ela é solteira, mas sinceramente não assino se constar o virgem.

Ela (cartorária): A senhora se recusa a confirmar esta inverdade?

Eu: Pode ter certeza, a menos que tenha laudo médico provando que o nariz dela é virgem.
Bandida, sentada ao meu lado ria e dizia: Tu não és minha amiga, custa dizer e assinar que sou virgem?

Nesse momento chega a segunda testemunha dela, um amigo nosso psicólogo.

Cartóraria: Senhor, por favor seus documentos.
Ele entrega com a maior boa vontade sem saber que ia assinar um documento onde teria de afirmar a virgindade de Bandida.

Eu: Amigo, sabes que Bandida quer que assinamos um documento onde declaramos que ela é Solteira e VIRGEM não sabes?

Ele: Não. VIRGEM MESMO? Ela quer que a gente assine isso? Nesse momento o desespero tomou conta dele também, olhando para a cartorária perguntou: Dona, esse negócio de assinar que Bandida é virgem, tenho de fazer algum juramento com a mão na biblia?

Cartorária: Não senhor.

Ele: Não tem teste de polígrafo aqui né?

Cartorária: Também não, senhor.

Ele: Bem, se não preciso jurar sobre a bíblia e não tem teste de polígrafo eu posso pensar em assinar pra ajudar minha amiga.

Eu: Mano, pensa direito, eu já me recusei terminantemente a assinar caso o VIRGEM não seja retirado dessa declaração.

Ele em um desespero para não ir contra a Lei, não mentir deliberadamente sabendo da verdade, e, acima de tudo, pensando em ajudar nossa amiga Bandida disse:

Dona, será que no lugar de VIRGEM pode ir "moça pura", porque assim fica aberto a interpretações e sempre seremos capazes de encontrar uma pureza. Gargalhada geral, da cartorária, de Bandida, minha e dele.

De repente a cartorária se vira e diz: ahhh os dois são psicólogos, que coisa boa ter como testemunhas dois psicólogos. Gente eu juro que perdia a amiga mas não perdia a piada: Falei, BOMMMMMMM? Nada bom minha senhora, estamos os dois aqui pra que ela não surte e mostre que é louca, antes de virmos demos os tranquilizantes pra ela se manter calma.

Assinamos os documentos, e eu que sempre pensei que ela ia ser minha dama de des-honra agora vai pra Suécia namorar, viver junto, casar com um sueco falsificado (porque descobri que ele é finlandês).

Na saída do cartório decidimos que íamos almoçar juntos pra comemorar a CERTIDÃO DE SOLTEIRICE, mas (como tudo sempre tem um "mas" com a gente) bizarrice pouca é bobagem.

Depois dessa manhã-início-de-tarde no cartório, na saída encontramos Pii-Lantra, então claro que eu e meu amigo psicólogo contamos de onde vínhamos, mas claro que também inventamos que Bandida e Eu havíamos vindo do cartório onde assinamos os papéis da nossa união-homo-estável e, que nossa testemunha foi nosso amigo. O queixo de Pii-lantra bateu no chão quando sacamos o documento do cartório pra provar (porque afinal sabíamos que ela não ia ler). Bandida nesse momento não estava conosco porque havia voltado ao cartório para buscar o guarda-chuva que havia esquecido no vaso de plantas.

Então, com o documento de Solteirice de Bandida na mão, Pii-lantra nos indaga: Ok, isso é alguma pilantragem de vocês duas, uma das duas quer comprar algo e a renda só de uma não permite?

Foi a vez de meu queixo cair, como Pii-lantra poderia pensar que realmente éramos capazes de registrar em cartório uma união-homo-estável com o objetivo de juntar rendas para comprar algo?
Nesse momento Bandida voltou. Contamos a ela a história que contamos a Pii-lantra e que conclusão ela tirou do fato de estarmos no cartório.

Fomos almoçar os 4 juntos, Bandida, Eu, Picólogo amigo e Pii-lantra, lamentamos a falta de Canalhona. Mas já já ela aparece (tá as voltas com o filho que tá pra fazer um ano, com o marido, com o doutorado e, se adaptando a vida na Holanda)

Resumindo, cheguei a conclusões importantíssimas na minha existência neurótica.

1 - Bandida estava certíssima quando, em vez de matricular-me no mestrado, fez minha inscrição num curso de teatro (depois conto essa história), eu deveria ser atriz.
2 - É mais fácil as pessoas acreditarem numa mentira do que na verdade.
3 - Preciso "normalizar" minha vida.

P.S: Eu bem que tentei falar pro futuro viver junto-marido de pilantra, que não ia haver separação consesual entre nós duas (sempre me recusei a assinar os papéis do divórcio hahahah) e, que ele podia levar ela, mas acabaria tendo duas, porque eu ia ter de encontrá-la uma vez por ano. BOSTA! Ele não entendeu nada do que eu disse, também pudera, não falo sueco, nem finlandês, nem inglês. Tô mal mesmo!

Patifa

10 comentários:

  1. Correção: no P.S, eu tentei falar para o viver junto-marido de BANDIDA, troquei os nomes e coloquei Pilantra.

    Falha técnica!

    Patifa

    ResponderExcluir
  2. Ráaaa, ainda tem essa de "atestado de virgindade"? E se é solteira é virgem? Me confunde essas coisas rs.

    Beijundas ^^

    ResponderExcluir
  3. Patifa Querida,

    Surreal essa situação!!!! Só morrendo de rir mesmo, né?

    Parabéns pelo elogio da sogra espanhola!!! Arrasou. Não é para qualquer uma.

    Beijão,

    Bela - A Divorciada

    ResponderExcluir
  4. KKKKK!!! Adorei!! Quero saber a históriado curso de teatro, ok?!

    ResponderExcluir
  5. Oi Rosa!
    Sem dúvida, esta história tem muito de surreal. Contando, o povo vai dizer que é mentira. Rs!
    Mas, no fim das contas, valeu porque assim ajudamos nossa amiga na sua ida para a Suécia. Por causa de nós e nossos sagrados testemunhos, ninguém dirá que ela chegará na Suécia com o sêlo de validade vencido. Assim, nosso país envia (escrevi ENVIA e não enfia!!!)mais um produto digno do sêlo ISO 2001.
    Beijos!!!!!

    ResponderExcluir
  6. ledamssousa@hotmail.com22 de abril de 2009 18:54

    kkkk,que coisa hein!

    sempre por aqui :)

    ResponderExcluir
  7. Oi Gatona,

    Muito bizarra a história da Ana, né? Eu tb acho. 100% capacho, vc definiu muito bem.

    Beijão,

    Bela

    ResponderExcluir
  8. Oi Patifa,

    Obrigada pelo "Doce Bela", adorei!!!! Saiba que eu te acho uma fofa tb, viu?

    E aí, nunca mais escreveu, né? Anda muito enrolada? Tá com preguiça? Anime-se.

    Ah, se vc não viu a gente no Multishow, escreve 3xtrinta lá no You Tube e as três aparecerão causando muito, hahaha!!!

    Beijos,

    Bela

    ResponderExcluir
  9. kkkkkk muito engraçado, imagino tanta confusão por causa de um VIRGEM, eu assinava pra ajudar minha amiga.

    ResponderExcluir
  10. Patifa!

    Essa história é mesmo real??? "Se mijei" de rir! hahahahahaha

    Muito boa!!!

    Sobre esse papo de sexo e trabalho, acho que o que pega para nós jornalistas é que o nosso universo é muuuuuito mais feminino (comunicação é um mulherio só), então, qdo rola algo, rola meeeeesmo! hahahahaha

    beijossss e tks por estar sempre lá no nosso bloguinho! :-)

    Deb

    ResponderExcluir